A importância dos 1000 dias em tempos de Zika Vírus

Em 07.03.2016   Arquivado em Mundo Mãe

Olá!!! Que saudades de vocês! ♥

Sábado (5 de março) eu tive uma manhã super gostosa e cheia de informações com uma palestra sobre “A importância dos 1000 dias em tempos de Zika Vírus, ministrada pela Dra. Ana Escobar, médica pediatra e consultora do programa Bem Estar, da rede Globo, e agora venho compartilhar com vocês, pois informação nunca é demais! 😉

Para iniciar, você sabe o que significa “os primeiros 1000 dias”? Para entender, vamos fazer uma conta rápida:

  • Gestação: os 9 meses somam-se 270 dias;

    Imagem: Dra. Ana Escobar.com.br

    Imagem: Dra. Ana Escobar.com.br

  • Os 2 primeiros anos de vida (365 + 365 dias) somam-se 730;
  • 270 + 730 = 1000 dias! 🙂

Portanto, a conta inicia junto com a gestação, mostrando o quão importante é esse momento intra-útero (nós, pais, não temos a menor dúvida! rs), pois de 2 células (espermatozoide e óvulo) teremos um (ou mais) bebê(s), onde multiplicações e mais multiplicações sequencial e ordenada resultarão em coração, rins, pulmões e tudo mais que forma o corpo humano.

E, nesse momento de desenvolvimento fetal, mais precisamente os 3 primeiros meses, é onde o Zika Vírus pode interferir numa forma nada agradável. Então vamos entender alguns pontos?

O que realmente faz o Zika Vírus?

TUDO ainda está em estudo! Não há nada muito concreto para termos uma segurança maior, além de informações, mas a Dra. nos passou dicas e conhecimentos valiosos. São esses:

  • O vírus fica na corrente sanguínea por um curto período de tempo: de 5 a 7 dias.
  • No primeiro trimestre de gestação é quando os neurônios estão se formando  e as células se multiplicam intensamente. Os estudos estão revelando que o Zika atravessa a placenta e penetra o neurônio impendindo seu crescimento. Consequentemente, o cérebro e a cabeça não crescem, o que dá origem ao nome “microcefalia”.
  • Dos bebês que apresentam a má formação por conta do Zika Vírus, as mães foram picadas e infectadas nos primeiros 3 meses de gravidez, quando o bebê está em formação.
  • Gestantes com mais tempo de gravidez (4 meses adiante) e que foram contaminadas pelo vírus não apresentaram danos aos bebês.
  • Bebês microcefálicos: circunferência da cabeça medindo para meninos: 31,9cm e para meninas: 31,5cm.
  • Não é apenas por picada que se pega o vírus, pois ele está presente na saliva e no sêmen. Ou seja, é super recomendado que as mulheres mantenham a relação sexual segura com camisinha, principalmente se está no início de uma gestação.

 

Proteção

bebê passando repelente

Imagem: Thinkstock

A melhor e mais segura maneira de ficar livre do Aedes Aegypt é da forma mecânica, ou seja, você tem que se proteger e proteger a sua família. Como?

  • Vede sua casa! Telas anti mosquito nas janelas, voal no berço e carrinho do bebê, nada de água acumulada em plantas, lixo, brinquedos…;
  • Roupa de manga comprida. Os médicos indicam roupas de cores brancas, pois fica fácil de ver um mosquito/pernilongo em você, as roupas escuras dificultam isso. (Com esse calor sei que é quase impossível, mas se você vedar sua casa/escritório, aí já compensa! 😉 );
  • Repelente! Use sempre o repelente, da forma orientada pelo seu médico ou rótulo do produto, pois ajuda – e muito – a manter o mosquito longe.

 

Repelentes

Falando em repelentes, muitas pessoas estão achando outras maneiras de se “protegerem” do mosquito que transmite a Zika, Dengue e Chikungunya, mas será que são eficazes? Vamos ver:

Icaridina: protege contra o Aedes Aegypt;

× Citronela: não funciona para o mosquito Aedes;

× Complexo B: alguns médicos estão receitando essa vitamina por liberar um perfume sobre a pele e dizem manter o mosquito longe, mas conforme a Dra. Ana explicou, o mosquito não liga muito para esse cheiro e pica, não fazendo da vitamina uma proteção eficaz;

× Repelente para bebês (menores de 2 anos): eles não contém o princípio ativo suficiente para proteger o bebê contra esse mosquito, por isso a melhor maneira para eles ficarem longe de picadas é a proteção com voal no berço e carrinho, roupas de mangas compridas e calças.

Leia o rótulo: quanto maior o princípio ativo do repelente, maior a proteção! (Como exemplo, o repelente Exposis Infantil que estou usando no Pedro (por recomendação médica, já que ele é alérgico a picadas), tem como princípio ativo 25% de Icaridina, enquanto a loção antimosquito da Jhonson’s (aquela verdinha)  não tem nada desse ingrediente, já que é para bebês a partir de 6 meses. Está explicado o porque dele nunca mais ser picado. rs)

 

Boatos

Imagem: iStockPhoto

Imagem: iStockPhoto

Está circulando pelas redes sociais, mensagens de celular, e-mails… que o Zika Vírus pode causar danos para crianças de até 7 anos de idade, quando picadas. Mentira! Bebês (recém-nascidos até 2 anos), crianças e adultos terão os sintomas de manchas vermelhas pelo corpo, febre, entre outros, mas nada que possa trazer um maior dano à saúde, como a microcefalia.

Não foi encontrado vírus no leite materno, por isso, as mães podem e devem amamentar seus filhos. É importante dizer mais uma vez: depois de formado, o bebê não vira “alvo” da microcefalia.

 

Dra. Ana Escobar

Sabe aquela pessoa que te contagia com uma alegria sem igual? É ela! Se eu já sentia isso pela televisão, imagina “ao vivo”. Só de olhar pra ela já da vontade de sorrir, aquele sorriso largo e verdadeiro!

Eu com a Dra. Ana Escobar. (Adquiri o livro Boas-vindas bebê 3 - dos 2 aos 5 anos de idade)

Eu com a Dra. Ana Escobar

Obrigada pelo convite, pelo carinho sem igual! Estou ansiosa pela leitura do seu livro, pois tenho certeza que vou aprender muito com ele e aplicar tudo com o Pedrinho!

Adquiri o livro Boas-vindas bebê 3 - dos 2 aos 5 anos de idade

Adquiri o livro Boas-vindas, bebê 3 – dos 2 aos 5 anos de idade

 

Acrescentar informações válidas com companhias lindas de outras mamães blogueiras fez meu dia mais feliz! Obrigada pela companhia de cada uma: Jú, Mi, Tati, Bia, Jacky, Pauleni e tantas outras! 

mamaes blogueiras de SP

Do mundo virtual para o real!

Espero que tenha sido tão esclarecedor pra vocês quanto foi pra mim. Se você tem uma amiga grávida ou com bebê recém nascido, compartilhe para que mais informações verdadeiras sejam úteis para elas!

Beijos e até mais!

Ah, deixo aqui embaixo o Instagram de algumas mamães da foto. Certeza que vocês vão amar segui-las:

@mamaesacchi – Tati

@supermaeativar – Jú

@espacodasmamaes – Mi

@curiosidadesdemae – Bia

@blogmaternidadesemfrescura – Jacky

@nossasaogemeos – Pauleni

:*

 

Fonte: Dra. Ana Escobar

Biovech é aliado das grávidas e bebês para combater o Aedes Aegypti

Em 29.01.2016   Arquivado em Mundo Mãe

Não é mais sonho. Já existe no mercado, um produto capaz de eliminar, em 24 horas, o foco do mosquito Aedes Aegypti, aprovado pela Anvisa e inofensivo para gestantes e bebês. ♥

O primeiro larvicida biológico para uso doméstico não deixa qualquer tipo de resíduo tóxico, sendo inofensivo a seres humanos, animais domésticos, aves, peixes e plantas… Ou seja, é um produto amigo das gestantes e bebês (que são nossa maior preocupação, já que eles possuem uma alta restrição dos produtos tóxicos que são comercializados para combater o mosquito), mais uma alternativa para ajudarmos o País a se livrar desse mosquito transmissor do Zika Vírus, Dengue e Chikungunya que está nos assustando.

“As soluções biológicas até hoje só estavam disponíveis por meio de agentes de saúde pública e isso não permitia que pudéssemos utilizar esta tecnologia diretamente no combate a esse surto do mosquito”, avalia o Médico e Professor da PUCRS, Fernando Kreutz, pesquisador à frente do primeiro larvicida biológico para uso doméstico aprovado pela Anvisa.

O Biovech é resultado de 10 anos de estudos e pesquisas da empresa de biotecnologia e nanotecnologia Neovech, do Grupo FK Biotecnologia – holding de pesquisa, desenvolvimento e inovação, que atua nas áreas de biotecnologia e nanotecnologia. “Isso quer dizer que, a partir de agora, qualquer pessoa terá acesso a um larvicida para o uso doméstico, com a certeza de que não está afetando a sua saúde. O controle do mosquito é a maneira mais eficiente para conseguirmos vencer esta verdadeira guerra que estamos travando no país”. complementa Fernando Kreutz, que também é diretor do Grupo FK Biotecnologia.

O Biovech é o primeiro produto da classe de larvicidas biógicos de uso doméstico disponível no Brasil. Além do efeito de matar a larvas tem uma ação preventiva, pois continua a funcionar em locais que são de difícil controle, como nos jardins e pontos de casas onde acumula-se água. A presença do produto faz com que as larvas morram durante seu processo de amadurecimento e não se transformem em mosquitos adultos. Além da contaminação entre pessoas, quando um mosquito pica alguém já contaminado e depois outra pessoa, transmitindo assim o vírus, existe a possibilidade da fêmea do mosquito transmitir virus diretamente para os seus ovos, criando desta forma uma nova geração de insetos já contaminados. “O controle dos focos de criação de mosquitos é primordial para o controle da Zika, Dengue e chikungunya”.

Sua fórmula é produzida utilizando a bactéria Bacillus thuringiensis, variedade israelenses (BTI), que contém os cristais da proteína Cry. Uma vez ingeridos pela larva do mosquito, os cristais provocam a sua morte, evitando que ela se torne um mosquito adulto transmissor de doenças. “Ou seja, ao aplicar o produto nas áreas de risco, a larva ingere essa proteína e morre,” explica a Doutora em Biotecnologia, Ana Letícia Vanz, coordenadora do Projeto Biovech. A tecnologia mata a larva do mosquito em até 24h.

Onde encontrar

   O produto está disponível nas redes de supermercado Walmart, no Sudeste, Bompreço e Hiper Bompreço, no Nordeste e no Rio Grande do Sul, é possível adquirir o Biovech no Zaffari/Bourbon.

produto biovech

Sobre a Neovech

Empresa do Grupo FK Biotecnologia, a Neovech chegou ao mercado para entregar soluções de alta tecnologia, seguindo a tendência mundial de produtos Bio e Nanotecnológicos que combatam as pragas urbanas.

Sobre o grupo FK-Biotec

Holding de pesquisa, desenvolvimento e inovação, que atua nas áreas de biotecnologia e nanotecnologia. Ao longo de 15 anos de atuação, a FK- Biotec é considerada pioneira no setor de biotecnologia do Brasil. Está à frente de importantes projetos de repercussão global, como da vacina anti-câncer, dos testes imuno-diagnósticos, nano-cosméticos, bio-fármacos e, agora, no lançamento do primeiro larvicida biológico do país para uso doméstico.

   O Grupo FK atua com pesquisadores próprios e através de parcerias com universidades de todo o Brasil, como HC/USP, UNB, PUCRS, UFRGS e Feevale. Conta ainda com o apoio do Finep, CNPQ e Capes.

Bom saber que podemos ficar um pouco mais seguros com esse produto no mercado, né? Afinal, cada um deve fazer a sua parte no combate ao Aedes Aegypti deixando sua casa limpa e segura para todos a sua volta.

Beijos e até mais! ♥

Fonte: Camejo Comunicação Empresarial.