A vida mental e emocional dos bebês de até 1 ano de vida

Em 10.03.2016   Arquivado em Mundo Mãe

Olá, mamães e futuras mamães!! Tudo bem?
Hoje teremos um artigo especial no blog sobre a vida mental e emocional dos bebês até 1 ano de vida. Quem escreveu foi um colega meu dos tempos do colégio e que hoje é psicanalista, André Schüller! Achei super interessante e gostaria muito de compartilhar com vocês!

bebe no ventre dormindo

“Geralmente pouco se sabe a respeito da vida mental e emocional dos bebês. Especialmente daqueles que tem entre 0 e 1 ano de vida.

Para os psicanalistas, porém, esse assunto precisou ser debatido na Europa do século passado graças, muito, a Freud e aos psicanalistas que vieram depois dele.

No meio dessa geração nova de pensadores havia uma vienense chamada Melanie Klein (1882-1960) cuja inovação teórica consistiu basicamente em compreender de um jeito diferente o complexo jogo de interação que até então se sabia existir entre os bebês e o mundo (a realidade). Fazendo isso ela criou algumas hipóteses importantes para a psicanálise de crianças das quais poderíamos destacar aqui duas rapidamente:

Primeiro: o que seria uma parte da mente dos bebês responsável por interpretar a realidade desde o primeiro dia de vida. Isso mesmo! Essa parte, ainda muito rudimentar e “corporal”, seria a que os psicanalistas convencionaram chamar de “eu” – apesar que alguns a conhecem por “ego”, mas há um equívoco no uso dessa expressão. O eu seria diferente da parte “inconsciente” da mente e ajudaria basicamente no processo de formação do mundo interno da criança e na maneira como ela poderia perceber mais adiante a realidade.

Segunda novidade: seria principalmente por meio das fantasias que o mundo ganharia sentido lembrando que no começo da vida, isto é, particularmente entre o 1º e o 3º mês, os bebês só poderiam enxergar o mundo como sendo algo caótico; caótico e bizarro. Por isso amedrontador e confuso em maior grau.

Dessa forma as fantasias produzidas nesse meio-tempo também só poderiam ser bizarras caso pudéssemos vê-las e seguiriam o curso de um mundo que aos poucos ganharia duas grandes características: o de ser extremamente bom por um lado (após a mamada, por exemplo) e o de ser extremamente mal, ruim e mortífero por outro (em virtude da fome, do frio ou de uma simples cólica ou estado gripal).

A propósito desse cenário ambíguo Klein supôs os bebês vivenciarem o que seria uma “posição esquizoparanoide” até o final do terceiro mês mais ou menos, fase essa composta, entre outras coisas, pela necessidade do bebê afastar de si tudo aquilo que poderia ser ruim ou mortífero por um lado, para preservar, de outro, o máximo do que fosse capaz de garantir sensações revigorantes e prazerosas.

O papel dos pais e da mãe em particular nesse momento vai ser fundamental, especialmente para gerar na criança duas coisas sem as quais ela não vai poder viver bem essa fase e também as outras subsequentes: o amor e a paciência.

O amor, nesse estado de caos, se for introjetado pelo eu da criança fará despertar nela o que seria um senso de confiança independentemente do sinal de perigo iminente. E a paciência – que dependerá da confiança e do amor já introjetados – também auxiliará no papel de acalmar a produção de sensações de morte e de fantasias bizarras na mente do bebê.

Após o quarto mês de vida se tudo correr minimamente bem, o processo vivido pela criança será não mais o de compreender o mundo apenas como sendo formado por dois polos, mas cada vez mais o de diminuir as diferenças entre um extremo e outro.

Ou seja, supondo uma criança que se desenvolva razoavelmente bem é certo que com o apoio dos pais e do seu meio ela perceba aos poucos o mundo sendo composto não por polarizações, mas coisas que, em si mesmas, carregarão tanto o bem como o mal. E se isso acontecer ela não precisará mais temer – nem acreditar – somente no bem e ter que excluir a todo custo o mal por uma questão de sobrevivência.”

Não falei que era interessante? 🙂 Apoio, amor e o cuidado dos pais e cuidadores faz toda diferença na vida de um bebê! 

Um beijo e até mais!

André Schüller é psicanalista e coordenador da Liga de Psicanálise de Jundiaí (getepp@gmail.com).

Rua General Carneiro, 229, sala 1, Vila Arens, Jundiaí/SP.

Telefone: (11)2434-0764.

Gravidinha, vamos checar sua caderneta de vacina?

Em 01.02.2016   Arquivado em Mundo Mãe

Sim, a sua! Você sabia que com as suas vacinas em dia seu bebê também estará protegido nos primeiros meses de vida? Quem nos dá mais detalhes é o ginecologista e obstetra Antonio Paulo Stockler, especialista pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo). Confira:

 

Mamãe Antenada: Qual a importância da gestante estar em dia com as vacinas?

Dr. Antonio Stockler: “O sistema imunológico das gestantes responde menos intensamente às infecções para não agredir os antígenos próprios do feto, por isso, estando em dia com as vacinas, a gestante não protege só a si mesma como o bebê ainda no útero. A produção de anticorpos pela mãe ao receber uma vacina pode ser transferida pela placenta e pelo leite, ajudando na proteção dos recém-nascidos.”, afirma.

 

Mamãe Antenada: Quais vacinas são essas que protegem mãe e bebê?

Dr. Antonio Stockler: “ As vacinas são:

       Gripe, que protege contra os três subtipos do vírus da gripe determinados pela Organização Mundial de Saúde: A/H1N1; A/H3N2 e influenza B;

       Tétano;

       Difteria;

       Coqueluche;

       Hepatite B – essa deve ser avaliada a imunidade, uma vez que esta vacina entrou há poucos anos no calendário vacinal do Ministério da Saúde para todos os recém-nascidos, e, portanto, ainda é frequente encontrar muitas mulheres grávidas que não a receberam na infância e que deverão recebê-la neste momento”, alerta o ginecologista obstetra.

 

Mamãe Antenada: Os cuidados da mãe com a vacina se encerram quando o bebê nasce?

Dr. Antonio Stockler:   “Não. Após o nascimento do bebê, é preciso também tomar algumas vacinas, pois os anticorpos da mãe são transferidos para o bebê por meio da amamentação. Veja algumas delas:

 

       DTPA ou DT (protege contra tétano, difteria e coqueluche; deve ser tomada caso não tenha sido aplicada na gravidez);

       Gripe (se não tiver tomado na gravidez);

       Hepatite A;

       Hepatite B;

       Meningite;

       Tríplice viral (protege contra sarampo, rubéola e caxumba);

       Varicela (deve ser tomada pelas mães que não tiveram catapora).

 

Consulte seu médico para saber mais detalhes sobre a vacinação, pois ele a orientará sobre a necessidade de cada imunização.

 

Beijos e até mais! ♥ 

 

Dr. Antonio Paulo Stockler, ginecologista obstetra, médico ginecologista obstetra do Hospital Universitário Antônio Pedro (UFF), do Hospital dos Servidores do Estado (HSE), professor auxiliar da disciplina de Saúde da Mulher da Faculdade de Medicina da Universidade Estácio de Sá, com consultório particular no Jardim Botânico (RJ). Stockler é especialista pela Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), membro da Associação de Ginecologia e Obstetrícia do Rio de Janeiro (Sgorj), autor de livros na área e palestrante de diversos congressos nacionais e internacionais no setor. O especialista é mestre em Saúde Coletiva pelo Instituto de Medicina Social da UERJ e está apto a falar sobre os temas que envolvem a área, tais como: pré-natal, parto, laqueadura, mioma, cistos e tumores de ovário, planejamento familiar, menopausa, incontinência urinária, prolapsos genitais etc.

Biovech é aliado das grávidas e bebês para combater o Aedes Aegypti

Em 29.01.2016   Arquivado em Mundo Mãe

Não é mais sonho. Já existe no mercado, um produto capaz de eliminar, em 24 horas, o foco do mosquito Aedes Aegypti, aprovado pela Anvisa e inofensivo para gestantes e bebês. ♥

O primeiro larvicida biológico para uso doméstico não deixa qualquer tipo de resíduo tóxico, sendo inofensivo a seres humanos, animais domésticos, aves, peixes e plantas… Ou seja, é um produto amigo das gestantes e bebês (que são nossa maior preocupação, já que eles possuem uma alta restrição dos produtos tóxicos que são comercializados para combater o mosquito), mais uma alternativa para ajudarmos o País a se livrar desse mosquito transmissor do Zika Vírus, Dengue e Chikungunya que está nos assustando.

“As soluções biológicas até hoje só estavam disponíveis por meio de agentes de saúde pública e isso não permitia que pudéssemos utilizar esta tecnologia diretamente no combate a esse surto do mosquito”, avalia o Médico e Professor da PUCRS, Fernando Kreutz, pesquisador à frente do primeiro larvicida biológico para uso doméstico aprovado pela Anvisa.

O Biovech é resultado de 10 anos de estudos e pesquisas da empresa de biotecnologia e nanotecnologia Neovech, do Grupo FK Biotecnologia – holding de pesquisa, desenvolvimento e inovação, que atua nas áreas de biotecnologia e nanotecnologia. “Isso quer dizer que, a partir de agora, qualquer pessoa terá acesso a um larvicida para o uso doméstico, com a certeza de que não está afetando a sua saúde. O controle do mosquito é a maneira mais eficiente para conseguirmos vencer esta verdadeira guerra que estamos travando no país”. complementa Fernando Kreutz, que também é diretor do Grupo FK Biotecnologia.

O Biovech é o primeiro produto da classe de larvicidas biógicos de uso doméstico disponível no Brasil. Além do efeito de matar a larvas tem uma ação preventiva, pois continua a funcionar em locais que são de difícil controle, como nos jardins e pontos de casas onde acumula-se água. A presença do produto faz com que as larvas morram durante seu processo de amadurecimento e não se transformem em mosquitos adultos. Além da contaminação entre pessoas, quando um mosquito pica alguém já contaminado e depois outra pessoa, transmitindo assim o vírus, existe a possibilidade da fêmea do mosquito transmitir virus diretamente para os seus ovos, criando desta forma uma nova geração de insetos já contaminados. “O controle dos focos de criação de mosquitos é primordial para o controle da Zika, Dengue e chikungunya”.

Sua fórmula é produzida utilizando a bactéria Bacillus thuringiensis, variedade israelenses (BTI), que contém os cristais da proteína Cry. Uma vez ingeridos pela larva do mosquito, os cristais provocam a sua morte, evitando que ela se torne um mosquito adulto transmissor de doenças. “Ou seja, ao aplicar o produto nas áreas de risco, a larva ingere essa proteína e morre,” explica a Doutora em Biotecnologia, Ana Letícia Vanz, coordenadora do Projeto Biovech. A tecnologia mata a larva do mosquito em até 24h.

Onde encontrar

   O produto está disponível nas redes de supermercado Walmart, no Sudeste, Bompreço e Hiper Bompreço, no Nordeste e no Rio Grande do Sul, é possível adquirir o Biovech no Zaffari/Bourbon.

produto biovech

Sobre a Neovech

Empresa do Grupo FK Biotecnologia, a Neovech chegou ao mercado para entregar soluções de alta tecnologia, seguindo a tendência mundial de produtos Bio e Nanotecnológicos que combatam as pragas urbanas.

Sobre o grupo FK-Biotec

Holding de pesquisa, desenvolvimento e inovação, que atua nas áreas de biotecnologia e nanotecnologia. Ao longo de 15 anos de atuação, a FK- Biotec é considerada pioneira no setor de biotecnologia do Brasil. Está à frente de importantes projetos de repercussão global, como da vacina anti-câncer, dos testes imuno-diagnósticos, nano-cosméticos, bio-fármacos e, agora, no lançamento do primeiro larvicida biológico do país para uso doméstico.

   O Grupo FK atua com pesquisadores próprios e através de parcerias com universidades de todo o Brasil, como HC/USP, UNB, PUCRS, UFRGS e Feevale. Conta ainda com o apoio do Finep, CNPQ e Capes.

Bom saber que podemos ficar um pouco mais seguros com esse produto no mercado, né? Afinal, cada um deve fazer a sua parte no combate ao Aedes Aegypti deixando sua casa limpa e segura para todos a sua volta.

Beijos e até mais! ♥

Fonte: Camejo Comunicação Empresarial.

Como cozinhar (corretamente) legumes e hortaliças?

Em 09.06.2015   Arquivado em Alimentação

verdura-tempo-vapor

No último post sobre alimentação eu falei sobre congelar frutas, e hoje vamos ver o tempo certo de cozinhar legumes e hortaliças.

Sabemos que beterraba, cará, mandioca, brócolis, espinafre, entre outros são muito ricos em vitaminas para todos nós, mas sabia que quanto maior o tempo de cozimento mais se perde dessas vitaminas? Por isso, abaixo compartilho com vocês uma tabela com a maioria dos legumes e hortaliças (senão todos), para manter ao máximo os nutrientes de todos eles. Nessa tabela tem o tempo de fervura na água, a vapor e na panela de pressão, então basta ver a sua forma favorita e seguir as dicas:

em minutos sua comida está pronta!

em minutos sua comida está pronta!

Prontinho, agora você já sabe o tempo de cada legume e verdura para fazer direitinho para a família com todos os nutrientes possíveis! rs

Ah, vale lembrar que esse é o tempo médio, pois como existem “n” tamanho desses produtos, é bom fazer o teste do garfo e experimentar antes de colocar para servir.

Beijos e até mais! 🙂

Fonte: Panelas de barro

Página 1 de 212