Deixem as grávidas, mães e filhos em paz!

Em 18.11.2015   Arquivado em Mundo Mãe

Deixem as grávidas, mamães e filhos em paz!

 

“Aproveite para dormir agora, porque depois que o bebê nascer, você não saberá mais o que é isso!” – Essa foi a frase que eu mais ouvi durante a gestação inteira do Pedro! E o que aconteceu? Pedro sempre dormiu muito bem, e aos 2 meses já foi liberado pelo pediatra para dormir a noite inteira. Sim, ele dormia das 19h30 até as 8 horas do dia seguinte. 🙂

Não, eu não estou me vangloriando pelo sono dele, só estou dizendo que existem bebês e bebês, e o problema que tanto me falavam em não dormir eu não vi. O que eu realmente quero relatar aqui é que 80% ou mais dos relatos que as grávidas ouvem são de tragédia, dor, sofrimento e alertas como: “cuidado com a balança!”, “está passando protetor solar? Seu rosto está cheio de manchas.” “Como assim você vai comer esse bolo? Vai ter diabete gestacional!” “Você faz exercício físico? Cuidado, pode fazer mal para o bebê!” Você não faz nenhum exercício físico? Cuidado, pode fazer mal para o bebê!”… e tantos outros mil comentários, conselhos, dicas… … … … …

Será que já pararam pra pensar: “Olha, uma grávida! Está formando outra vida dentro dela, que complexo é isso, física e psicologicamente para ela. Deixa eu ver se precisa dormir um pouco ou se já escutou coisas agradáveis hoje.” Ah que lindo seria se uma pessoa por semana fizesse isso, já pensou? Rs

É verdade que coisas desagradáveis acontecem em algumas gestações, como deslocamento da placenta, sangramento, prematuridade… E outras coisas são super normais de acontecer em qualquer gestação, como dores nas costas, costelas, dificuldade de respirar e falta de posição para dormir no último trimestre… Mas será que alguma mãe, mesmo tendo passado por todas essas coisas, se arrepende de ter tido o baby? Com certeza não, fariam e passariam tudo de novo se fosse preciso.

Mas por quê as pessoas, e principalmente, mães tem essa mania horrível de só relatar tragédia? Toda mulher deseja uma gestação tranquila, muitas bajulações para ela e o baby, palavras de conforto e encorajamento são muito bem-vindas!

 

Vamos tentar mudar esse cenário?

grávida com uma amiga conversando

 

Quando você ver uma gravidinha, pense em palavras bonitas que você gostaria de ouvir ou que você teve o prazer de ouvir durante a gestação.

Se você é homem e está lendo esse post, não se preocupe, vou deixar algumas frases para você decorar e

falar para sua mulher, amiga, irmã… que está grávida:

 

  • Como seu rosto está reluzente hoje! (o corpo da mulher muda diariamente, principalmente o rosto no fim da gestação, e as mulheres sempre se acham inchadas. A grávida que ouvir isso ficará feliz!)

 

  • A gravidez está te fazendo muito bem! Você está ainda mais linda! (Toda gestante tem uma beleza particular)

 

  • Não se preocupe tanto com a balança e/ou seu corpo. Você está gerando uma vida e não há nada mais lindo que isso. (Lembre que é só uma fase e agora é tempo de gerar)

 

  • Bom dia! Senta aqui enquanto pego uma água para você. (As vezes, só de levantar da cama parece que a gravida trabalhou em descarregar uns 10 caminhões e está muito cansada, por isso é sempre bom oferecer um lugar para ela descansar e beber bastante líquido)

 

  • Boa noite, linda! Não se preocupe com jantar, pois hoje quem vai para a cozinha sou eu! (Se invente na cozinha. Mesmo que saia um pão com mortadela ela vai amar esse tempo de descanso e mimo)

 

  • Quer dormir um pouquinho? (Sono! Grávidas sentem muito sono a qualquer hora em qualquer dia rs. Mesmo no trabalho, se você é chefe, ofereça 15 minutos de cochilo e você notará que ela voltará ao trabalho melhor, mas não estressa se os 15 minutos virarem 60! rs)
homem olhando assustado a barriga da grávida

Homens, sejam gentis, ainda mais com grávidas!

Olha como é fácil agradar uma grávida! rs E ver o sorriso que ela esboçar depois dessas frases não tem preço! 🙂

 

De grávida a recente mãe

duas mulheres fazendo "mão de ferro"

Pensa que só as grávidas sofrem com o falatório? As mães novinhas também sooooofrem. E “sofrem” porque em toda casa tem um bebê genial que faz tudo primeiro do que qualquer outro bebê. Pois é, o espírito de competitividade está na mãe, pai, avós… os bebês são inocentes e nós, adultos, somos os alimentadores disso. Triste!

Mas não se desespere, como falei no início, há bebês e bebês: uns dormem pouco, outros dormem muito. Uns amam frutas, outros odeiam. Uns andam aos 9 meses, outros depois de 1 ano. Uns falam “tudo” aos 12 meses e outros aprendem o poder da fala aos 2 ou 3 anos. Uns andam de bicicleta sem rodinha aos 5 anos e outros aos 10 meses de vida. Não, isso da bicicleta não acontece, mas no mundo competitivo das mães, sim, acontece.

Se na visão (de um bom) médico a criança está bem, realmente a mãe pode ficar tranquila. Cada criança tem seu tempo, seu jeito e se há alguma anormalidade, o médico diagnostica e manda para o especialista. Até o peso e altura estimada que vem na caderneta de acompanhamento do bebê não serve para todos, sabia? Pois é, quem falou isso foi o pediatra do meu filho ao notar que toda consulta eu perguntava se estava acima ou abaixo e assinalava o peso e altura do Pedro com um x no gráfico da caderneta (paranoica eu haha). O pediatra me explicou que aquilo está lá por ser média e média não é obrigatório para toda criança, pois depende do peso que ela nasceu, se mama leite materno ou leite artificial, e essas variações individuais também depende do quadro familiar (pessoas altas ou baixas, magras ou gordinhas…). Prometo fazer um post explicando direitinho isso que falei, pois esse já está muito grande. rs

Mas enfim, temos que entender que não existe jeito certo para criar um filho, existe o seu jeito, o meu jeito, o jeito da vizinha e o jeito da colega. Não existe tempo certo e igual para as crianças, mas existe o tempo delas e isso é muito particular.

Que saibamos moldar um mundo sem competições e mais amor para os nossos filhos e pelos próximos. Que sejamos todas, boas mães. <3

três mães com suas filhas conversando alegremente

 

Beijos!!!

 

Comentários

comentário