Posts de junho de 2016

Youtube Kids chega ao Brasil

Em 30.06.2016   Arquivado em Mundo Mãe

Você já conhece o Youtube Kids? Se você tem uma criança em casa que gosta de assistir desenhos, filmes, conteúdo infantil no Youtube.com (aqui em casa tem!!!), pode ficar ainda mais feliz com a chegada do app Youtube Kids ao Brasil! 😀

Com esse aplicativo, as crianças tem menos risco de assistirem algo impróprio pra idade – mesmo se tratando de desenhos, o que aconteceu aqui em casa e conto lá embaixo no final da matéria – deixando os pais mais tranquilos em relação ao conteúdo.

O que é esse Youtube Kids?

youtubekids

“carinha” do aplicativo Youtube Kids

É um aplicativo oficial do youtube que foi feito especialmente para crianças de mente curiosa. Trata-se de um app gratuito e muito simples, onde as crianças podem encontrar os vídeos, canais e playlists que elas adoram.

Nenhum sistema automatizado é perfeito, mas no youtube kids tem um critério mais rigoroso para se classificar como apropriado para as crianças, mas caso os pais e cuidadores encontre algum vídeo que levante preocupações podemos sinalizar e o vídeo será reavaliado.

Feito para crianças

Para facilitar a navegação, os vídeos do aplicativo estão divididos em quatro categorias: Séries, Músicas, Aprender e Explorar. Os itens complicados foram retirados e recursos foram adicionados como botões grandes, rolagem simplificada e tela cheia instantânea para facilitar a navegação das crianças no aplicativo. E, quando toda a família se reúne para curtir os vídeos favoritos, todos podem assistir em tela grande usando o Chromecast, consoles de jogos ou smarts TVs.

imagem dos 4 ícones grandes para as crianças navegarem

4 ícones grandes para as crianças navegarem

Vídeos que as crianças adoram

As crianças podem curtir o conteúdo favorito delas, como Turma da Mônica e Show da Luna, sucesso on-line, como Galinha Pintadinha e Pocoyo, além de outros tópicos pelos quais elas se interessam: músicas, esportes, animais, vídeo games, artes e muito mais.

screen640x640-3

Adultos no controle

Sabemos que cada família é diferente, por isso, foram incluídos recursos que os adultos podem usar para personalizar a experiência no Youtube Kids de acordo com as necessidades de todos. As configurações são protegidas por uma senha e só podem ser acessadas pelos adultos. Nessa seção, é possível desativar a pesquisa para restringir o acesso ou definir um timer integrado para avisar às crianças a hora de parar de assistir, sem que os pais precisem fazer isso.

Imagem do Timer que os pais podem colocar para dar limite ao tempo das crianças assistirem

Timer que os pais podem colocar para dar limite ao tempo das crianças assistirem

O Youtube Kids está disponível para iOs (iPad e iPhone) e Android (tablets e celulares).

Mais informações você pode encontrar no site kids.youtube.com .

Gostou? Então compartilhe essa notícia para que mais pais e cuidadores fiquem seguros ao deixarem seus filhos nos tablet e celular.

A experiência negativa que tivemos aqui em casa com Youtube.com

Aconteceu que, numa dessas vezes assistindo Peppa Pig no Youtube.com, Pedro começou a mudar de canal nas sugestões de vídeos que aparecem ao lado e fui fazer o almoço, quando começo a escutar palavrões, histórias de tragédias e mais, muito mais palavrões! Eu até pensei que eram as crianças do prédio lá embaixo, mas fiquei realmente abismada com o tanto de palavrões, e ao ver o iPad com o Pedro confirmei que era “Peppa” que ele estava assistindo e fiquei intrigada.

Tirei tudo do fogo e fui conferir o que estava acontecendo e fiquei horrorizada ao ver que era um canal do Youtube.com que simplesmente redubla Peppa Pig e muitos outros desenhos animados infantis com palavrões, histórias egoístas e tudo de pior que possa existir. Tirei do canal, desliguei o iPad e tive uma conversa com o Pedro explicando o que era aquele “desenho”, as palavras ditas e o contexto da história. Coloquei em um canal da Peppa de verdade, pedi para ele não mudar mais e voltei a fazer o almoço.

Quando Thiago chegou do serviço, contei a ele o que tinha acontecido naquele dia e ele logo foi atrás de algum app que pudesse substituir o Youtube (sim, Pedro assiste, principalmente quando preciso fazer algo em casa, ou estamos no trânsito, mas isso começou após os 8 meses de idade 😉 ). Thiago descobriu que no EUA existia o Youtube Kids, um aplicativo do próprio Youtube que não entra conteúdo impróprio para crianças e que tudo ali é verificado antes de fazer parte desse app, deixando os pais mais tranquilos ao deixarem as crianças assistindo os vídeos. Mas tinha um problema, o app só funcionava para quem residisse no EUA. Como não queríamos que a cena do Pedro vendo aquele vídeo horroroso se repetisse, o Thi colocou o endereço da Disney e conseguimos ter o app no iPad. Desde então Pedro só assiste desenhos originais, sem cenas de terror ou palavras torpes. (Ufa!)

Beijos e até mais!!! 🙂 

 

Blusa de frio dificulta a segurança das crianças na cadeirinha do carro

Em 22.06.2016   Arquivado em Mundo Mãe

Com esse frio que está fazendo aqui no Sudeste, claro que agasalhamos bem as crianças, ainda mais quando vamos sair de casa, não é mesmo? Mas você sabia que o casaco mais grosso pode prejudicar a segurança dos nossos filhos no bebê conforto ou cadeirinha?

buckle-up-damian-1238972-640x840

Foi realizado um estudo, conduzido por um laboratório especializado em análises do impacto de batidas de carro em Michigan, nos Estados Unidos, onde comprovou que o boneco que utilizava um casaco mais grosso deixava o cinto de segurança escorregar pelos braços das crianças, o que deixava a criança livre para sair da cadeirinha e se ferir gravemente ou até perder a vida!

Esse teste foi realizado com uma blusa de lã, onde mostrou que o cinto estava mais ajustado ao corpo, evitando ferimentos graves nas crianças. Ah, e a velocidade do carro na hora do teste era de 48km/h, ou seja, nem estava tão rápido, já que nas principais vias andamos por volta dos 60km/h (e sim, faz muita diferença).

imagem do teste

Quer saber mais sobre esse teste? Então clique aqui e veja a matéria completa  do Today Parents.

Ontem, ao sair de carro com a família, Thiago, meu marido, ressaltou que o cinto do Pedro estava escorregando pelos braços, e que não estava seguro para ele. Agora, ao chegar no carro, deixo Pedro apenas com as blusas mais leves e o cubro com o casaco ou manta, como indicado na matéria mesmo. Vale tudo para a segurança dos pequenos, não é mesmo?

 

Compartilhe esse post, pois evitaremos muitos acidentes com nossos pequenos!

Beijos e até mais! 

Fonte: Today Parents e Macetes de Mãe

Nova norma para cesariana

Em 20.06.2016   Arquivado em Mundo Mãe

Conselho Federal de Medicina publica regra com critérios para realização do parto cesariano.

 

Pois é, agora somente a partir da 39ª semana de gestação, o médico poderá realizar o parto cirúrgico (cesariana) a pedido da gestante e desde que critérios importantes estejam atendidos, entre eles a assinatura de Termo de Consentimento Livre e Esclarecido.

É ético o médico atender à vontade da gestante de realizar parto cesariano, garantida a autonomia do profissional, da paciente e a segurança do binômio materno fetal. É o que afirma o Conselho Federal de Medicina (CFM) na Resolução 2144/2016, encaminhada para o Diário Oficial da União nesta semana. A norma, que entrará em vigor na data de sua publicação, define critérios para cesariana a pedido da paciente no Brasil e estabelece que, nas situações de risco habitual e para garantir a segurança do feto, somente poderá ser realizada a partir da 39ª semana de gestação.

 

“A autonomia da paciente é um princípio relevante e foi um dos norteadores do CFM para a elaboração dessa norma, que considerou também outros parâmetros bioéticos, como a justiça, a beneficência e a não maleficência. Para que o parto cesariano por conveniência da paciente seja aceito, é mister que ela esteja bem informada e tenha sido orientada previamente para compreender as implicações de sua decisão”, explica o conselheiro José Hiran Gallo, relator da Resolução CFM nº 2144/2016 e coordenador da Comissão de Ginecologia e Obstetrícia do CFM.

 

Nas primeiras consultas de pré-natal, o CFM orienta que médico e paciente discutam de forma exaustiva sobre benefícios e riscos tanto do parto vaginal quanto da cesariana, bem como sobre o direito de escolha da via de parto pela gestante. Para o pediatra e 2º secretário do CFM, Sidnei Ferreira, “a escolha do tipo de parto como decisão conjunta médico/gestante é bem-vinda, devendo ser respeitado o desejo da mulher. Entretanto, não se pode perder de vista que o mais importante é preservar a saúde e a vida da mãe e do concepto”.

 

Para realização de parto cesariano a pedido, passa a ser obrigatória a elaboração de um termo de consentimento livre e esclarecido pelo médico para que seja registrada a decisão da parturiente. O documento deve ser escrito em linguagem de fácil compreensão, respeitando as características socioculturais da gestante e o médico deve esclarecê-la e orientá-la tanto sobre a cesariana quanto sobre o parto normal.

 

“A paciente, quando devidamente esclarecida, decide com o médico as suas opções de tratamento. O fulcro é a harmonização entre o princípio da autonomia do paciente e a do médico, que deve se basear na melhor evidência científica, sendo que o foco é garantir a segurança fetal e materna”, ressalta Gallo.

 

Gestação a termo é marco seguro 

O CFM adotou o marco de 39 semanas por ser o período em que se inicia a gestação a termo. Redefinida em 2013 a partir de estudos analisados pelo Defining “Term” Pregnancy Workgroup, organizado pelo Colégio Americano de Obstetras e Ginecologistas (ACOG), este é o período que vai de 39 semanas a 40 semanas e 6 dias. Antes dessa recomendação, bebês que nasciam entre a 37ª e a 42ª semana eram considerados maduros. No entanto, pesquisas apontaram a incidência recorrente de problemas específicos em grupos de neonatos com idade gestacional inferior a 39 semanas.

 

De acordo com a ACOG, bebês que nascem antes do tempo têm maior possibilidade de apresentar problemas respiratórios, como a síndrome do desconforto respiratório; dificuldades para manter a temperatura corporal e para se alimentar. Além disso, têm tendência a registrar altos níveis de bilirrubina, o que pode causar icterícia e, em casos severos, gerar danos cerebrais; assim como problemas de visão e audição. 

 

Entre 37 e 39 semanas, o bebê atravessa uma fase crítica de desenvolvimento do cérebro, dos pulmões e do fígado, alerta o Instituto Nacional (norte-americano) de Saúde da Criança e Desenvolvimento Humano (NICHD), outra fonte de análise para elaboração da Resolução aprovada pelo CFM. O Instituto afirma que “poucas semanas fazem uma grande diferença”.

 

“Quando não há indicação médica que justifique a antecipação do parto, é primordial respeitar o prazo de 39 semanas para realização de cesariana a pedido da gestante. Um dos reflexos dessa norma será a redução de casos de recém-nascidos com dificuldades de adaptação à vida extrauterina e, consequentemente, a redução das taxas de internação em Unidades de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal”, aponta o pediatra e corregedor do CFM, José Fernando Maia Vinagre.

 

A idade gestacional do nascimento é um marco importante na análise de dados epidemiológicos sobre morbidade e mortalidade perinatal e, apesar da crescente demanda por leitos de UTI Neonatal, 86 foram fechados no país somente no primeiro trimestre de 2016, de acordo com dados do Departamento do Informática do Sistema Único de Saúde (DataSUS).

  

Parto cesáreo deve ter indicadores

“Os esforços devem se concentrar em garantir que cesáreas sejam feitas nos casos em que são necessárias, em vez de buscar atingir uma taxa específica de cesáreas”, afirma a Organização Mundial de Saúde (OMS) em relatório publicado, em 2015, sobre a revisão das taxas de cesáreas.

 

Segundo o Ministério da Saúde, “considerando as características da nossa população, que apresenta entre outros distintivos um elevado número de operações cesarianas anteriores, a taxa de referência ajustada para a população brasileira gerada a partir do instrumento desenvolvido para este fim pela OMS estaria entre 25%-30%”.

 

As taxas de cesárea no Brasil, apesar de ajustadas, são estimativas – visto que não há um sistema de classificação nacional. Considerando o cenário global, a OMS afirma que também “não existe uma classificação de cesáreas aceita internacionalmente que permita comparar, de forma relevante e útil, as taxas de cesáreas em diferentes hospitais, cidades ou regiões”.

 

“Há que se ressaltar que a cesariana salva vidas. Em diversos casos, é uma indicação médica que visa garantir a segurança tanto do bebê quanto da parturiente. Ter indicadores partos é de extrema importância, mas é necessário definir padrões e a Classificação de Robson, recomendada pela OMS, é o método adequado para o Brasil implantar”, explica o coordenador da Câmara Técnica de Ginecologia e Obstetrícia, José Hiran Gallo.

 

A Classificação de Robson, apresentada em 2001 pelo médico Michael Robson, reúne as gestantes em 10 grupos conforme suas características obstétricas como, por exemplo, nulíparas (que nunca teve filhos) com feto único em apresentação pélvica e multíparas (que já teve mais de um filho) sem cesárea anterior com feto único, cefálico, ≥ 37 semanas e em trabalho de parto espontâneo. As características de definição dos grupos são informações colhidas rotineiramente nos hospitais, o que viabiliza a implantação do sistema, a tabulação e a comparação dos dados.

 

Além de recomendar a Classificação de Robson “como instrumento padrão em todo o mundo para avaliar, monitorar e comparar taxas de cesáreas ao longo do tempo em um mesmo hospital e entre diferentes hospitais”, a OMS informou que irá construir “um manual sobre como usar, implementar e interpretar a classificação de Robson, que incluirá a padronização de todos os termos e definições”.

Compartilhe ou marque uma grávida para que ela fique ciente dessa nova regra!

Beijos e até mais! 

Fonte: Acontece Notícias

Vamos organizar suas finanças?

Em 15.06.2016   Arquivado em Mundo Mãe

Oi, gente! 🙂 O Post de hoje é sobre finanças. Achei válido trazer aqui no Blog, pois estamos enfrentando tempos difíceis e nada como um planejamento para melhorar – ou pelo menos não piorar – nosso bolso. Quem fala pra nós é Dora Ramos, educadora financeira e diretora da Fharos Contabilidade & Gestão Empresarial. Vamos conferir?

“Ainda que o endividamento das famílias tenha recuado de 59,6% em abril para 58,7% em maio, o primeiro semestre não foi nada fácil para grande parte da população. Uma pesquisa da Confederação Nacional do Comércio (CNC) mostrou que do total das famílias brasileiras, 23,5% têm mais da metade da renda mensal comprometida com o pagamento de dívidas.

Mesmo que você não se enquadre nesse cenário, agora é o momento certo para todos analisarem e organizarem as finanças a fim de ter um segundo semestre mais tranquilo. Afinal, 2017 chegará num piscar de olhos e acredito que ninguém queira iniciar um novo ano cheio de dívidas e sem perspectivas de melhoria.

 

O balanço financeiro pode ser feito por meio de uma planilha que contenha os principais gastos obtidos desde o início do ano. Dessa forma, deve ser analisado quanto de bens supérfluos você adquiriu para não repetir a dose no segundo semestre. Outra dica é que, para as dívidas contraídas em longo prazo – especialmente em cheques, carnês e cartões de crédito -, recomenda-se a checagem do prazo de vencimento dos débitos, evitando ao máximo que fiquem contas para os últimos meses e, de maneira alguma, para o próximo ano.

 

É importante também tentar criar um fundo para as despesas de início de ano, já que daqui seis meses chegam os impostos e contas como IPVA, IPTU, rematrícula e material escolar. Essa é uma boa alternativa para quem não quer desembolsar uma alta quantia de uma só vez ou então assumir parcelas de longo prazo.

 

Entrar em situação de endividamento é algo que tira o sono de qualquer pessoa, por isso, o mais indicado é que se tenha bom senso, sem se deixar levar por atos impensados. É preciso olhar para a atual conjuntura econômica com uma visão mais analítica, comprar de forma mais consciente e diminuir gastos desnecessários.

 

Para evitar complicações financeiras, é fundamental que os consumidores menos prevenidos se programem, mantenham o foco em gastos realmente imprescindíveis e evitem, desse modo, o acúmulo de dívidas para o final de ano, época que sempre queremos um dinheiro extra para gastar. Afinal, manter as contas em dia e o nome limpo é um fator importantíssimo para encerrar 2016 com tranquilidade e de bem com a vida!”

Espero que tenham gostado das dicas. Por aqui já vou sentar com o marido e praticar! 😉 

Beijos! 

Dora Ramos é educadora financeira e diretora da Fharos Contabilidade & Gestão Empresarial – www.fharos.com.br
Página 1 de 212